Iniciação científica e a aprendizagem de matemática na educação básica

Autores/as

  • Eduardo Britto Velho de Mattos Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (CAp/UFRGS), Rio Grande do Sul, Brasil
  • Aline Silva De Bona Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Rio Grande do Sul, Brasil
  • Marcus Vinícius de Azevedo Basso Instituto de Matemática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (IM/UFRGS), Rio Grande do Sul, Brasil
  • Léa da Cruz Fagundes Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PGIE/UFRGS), Rio Grande do Sul, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.24215/18509959.0.p.%2041-50

Palabras clave:

Projetos de Aprendizagem, Iniciação Científica na Educação Básica, Fazer e Compreender, Intervenção do Professor

Resumen

O artigo é uma articulação teórica entre as propostas pedagógicas denominadas Projeto de Aprendizagem e Iniciação Científica aplicados à Educação Básica nas aulas de Matemática, associada a um estudo de caso que faz uso do Fazer e Compreender da teoria Piagetiana para explorar uma releitura da ação dos estudantes em processo de aprender a aprender Matemática. O objetivo deste trabalho é proporcionar aos estudantes um aprender a aprender Matemática valendo-se da sua curiosidade na forma da Iniciação Científica, e dos recursos que os mobilizam, como as tecnologias digitais. O método desta investigação é um estudo bibliográfico e prático em relação ao estudo de caso, e aponta como resultados a aprendizagem de Matemática através da Iniciação Científica na Educação Básica e a participação efetiva dos estudantes em sala de aula, presencial ou online, com autonomia e responsabilidade sobre seu processo de aprendizagem.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

[1] D ́AMBROSIO, U. Educação Matemática: da teoria a práxis. Coleção Perspectivas em Educação Matemática. Campinas, SP: Papirus, 1996.
[2] FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários a prática educativa. 22ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
[3] LINS, R. C. Matemática, monstros, significados e Educação Matemática. In: BICUDO, M. A. V. e BORBA, M. C. (orgs.). Educação Matemática. Pesquisa em Movimento. São Paulo: Cortez, 2004.
[4] BONA, A.S.D. Portfólio de Matemática: um instrumento de análise do processo de aprendizagem. Dissertação (Mestrado em Ensino de Matemática) -Programa de Pós-Graduação em Ensino de Matemática. Porto Alegre: UFRGS, 2010.
[5] BONA, A.S.D.; MORAIS, A.; BASSO, M.V.A.; FAGUNDES, L.C. Cultura Digital e Aprendizagem Cooperativa. In: RENOTE –Revista Novas Tecnologias na Educação, v.10, n.1, 2012.
[6] BONA, A. S. D.; LEAL, L. B. O diálogo e a autonomia na prática investigativa de Matemática. In: XV Fórum de Estudos –Leituras Paulo Freire, Taquara, Rio Grande do Sul, 2013, p.1-8.
[7] MATTOS, E. B. V. Construção de conceitos de matemática via Projetos de Aprendizagem. Dissertação (Mestrado em Ensino de Matemática) -Programa de Pós-Graduação em Ensino de Matemática. Porto Alegre: UFRGS, 2010.
[8] BONA, A. S. D. Espaço de Aprendizagem Digital da Matemática: o aprender a aprender por cooperação. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação. Porto Alegre: UFRGS, 2012.
[9] BONA, A.S. D. Ações de Investigação na Aula de Matemática. In: XV Encontro Nacional de Educação Matemática, Curitiba, Paraná, 2013, p. 1-15.
[10] MATTOS, E. B. V. Desenvolvimento de um modelo de intervenção para a construção de conceitos de matemática via projetos de Iniciação Científica. Cadernos do Aplicação (UFRGS). , v.24, p.1 -, 2011.
[11] MATTOS, E. B. V.; BASSO, M. V. A. Projetos de Aprendizagem: uma alternativa aos desafios educacionais do século XXI In: II Congresso Nacional de Educação Matemática e IX Encontro Regional de Educação Matemática, 2011, Ijuí.
[12] FAGUNDES, L. C.; SATO, L. S.; MAÇADA, D. L. Aprendizes do Futuro: as inovações começaram! MEC, 1999.
[13] MORAIS, A. D. Fórmula (-1): Desenvolvendo Objetos Digitais de Aprendizagem e Estratégias para a Aprendizagem das Operações com Números Positivos e Negativos. Dissertação (Mestrado em Ensino de Matemática) -Programa de Pós-Graduação em Ensino de Matemática. Porto Alegre: UFRGS, 2010.
[14] BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Fundamental e Médio. Brasília: MEC/SEMTEC, 4v., 1998.
[15] PIAGET, J. Fazer e Compreender. São Paulo: Melhoramentos: Ed. Da Universidade de São Paulo, 1978.
[16] PONTE, J. P.; BROCARDO, J. OLIVERIA, H. Investigações matemáticas na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
[17] MONTANGERO MONTANGERO, J. Piaget ou a Inteligência em Evolução. Porto Alegre: Artmed, 1998.
[18] PIAGET, J. Abstração Reflexionante: relações lógico -aritméticas e ordem das relações espaciais. Porto Alegre: Artmed, 1977.
[19] BECKER, F. Educação e construção do conhecimento. Porto Alegre: Artmed, 2001.
[20] CAMARGO, F. B.; LACERDA, R. P. A Intervenção do Professor nos Projetos de Aprendizagem: o quê, para quê e como perguntar. Disponível em <http://www.educacaoetecnologia.org.br/?p=477>. Acesso em 18 ago 2014.

Descargas

Publicado

2016-12-01

Cómo citar

[1]
E. B. Velho de Mattos, A. S. D. Bona, M. V. de A. Basso, y L. da C. Fagundes, «Iniciação científica e a aprendizagem de matemática na educação básica», TEyET, n.º 18, pp. p. 41-50, dic. 2016.

Número

Sección

Artículos originales