Avaliação de Usabilidade do BioTax no Ensino Remoto de Entomologia Médica

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.24215/18509959.32.e13

Palabras clave:

Biologia, Chave de identificação, Material didático

Resumen

Como a compreensão da biodiversidade é fundamental no estudo da Biologia, o pensamento biológico requer conhecer e praticar a identificação taxonômica. Chaves de identificação são instrumentos típicos utilizados para orientar a identificação de exemplares de seres vivos. Elas podem ser em papel ou serem softwares. Apesar de existirem investigações sobre o uso de software de chaves de identificação como recurso pedagógico, pouco se investigou sobre sua qualidade de uso. Este trabalho relata uma avaliação de usabilidade do software BioTax em duas turmas remotas de graduação de Entomologia Médica na UFRN em 2020. Os estudantes realizaram 2 exercícios de identificação taxonômica e 1 exercício de criação de chave de identificação com o BioTax. Depois, 15 estudantes responderam um questionário online sobre suas opiniões a respeito da experiência de uso do BioTax e perguntas da System Usability Scale (SUS). A média dos resultados gerais no SUS foi de 81,3, que indica uma excelente usabilidade do BioTax. Seus principais diferenciais relatados pelos participantes foram a facilidade de uso, a praticidade e o layout simples e limpo. Também foram relatados problemas na facilidade de aprendizado e na eficiência, erros funcionais e feitas sugestões de novas funcionalidades.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Bruno Santana da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutor em Informática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Professor do Instituto Metrópole Digital da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Investiga interação humano-computador, design e acessibilidade

Taciano de Moura Barbosa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil

Doutor em Biologia Animal pela Universidade Federal de Pernambuco. Pós doutorando do Programa de Pós-Graduação em Biologia Parasitária da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Investiga dípteros de importância médica e forense.

Fellipe Albano Melo do Nascimento, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil

Doutorando em Ensino de Ciências e Matemática na Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Mestre em Ciências Biológicas pela mesma instituição. Pesquisa sobre o ensino de ciencias.

Renata Antonaci Gama, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil

Mestre e Doutora em Parasitologia pela UFMG. Professora no Departamento de Microbiologia e Parasitologia da UFRN. Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Biologia Parasitária. Desenvolve pesquisas em Entomologia Médica.

Citas

D. S. Amorim, Elementos básicos de sistemática filogenética. São Paulo: Sociedade Brasileira de Entomologia, 1994.

C. V. Linnaeus, “Systema Naturae per regna tria naturae,” Editio, vol. 1, no. 10, pp. 823, 1758.

E. Mayr, O desenvolvimento do pensamento biológico: diversidade, evolução e herança. Brasília: Editora UnB, 1998.

D. Bertoni, A. Luz, “Estilos de Pensamento Biológico Sobre o Fenômeno Vida,” Revista Contexto & Educação, vol. 26, no. 86, pp. 23–49, 2012.

Brasil, Ministério da Educação, Base Nacional Comum – BNCC, 2018.

D. E. Walter, S. Winterton, “Keys and the crisis in taxonomy: extinction or reinvention?,” Annu. Rev. Entomol., vol. 52, pp. 193–208, 2007.

E. F. Rangel, R. Lainson, Flebotomíneos do Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2003.

P. M. Linardi, L. R. Guimarães, Sifonápteros do Brasil. Sifonápteros do Brasil. São Paulo: Museu de Zoologia USP/FAPESP, 2000.

A. Dal Molin, M. T. Tavares, G. E. Monjardim, “Portal de Biodiversidade de Chalcidoidea, um recurso online para informações e identificação taxonômica,” Entomological Communications, vol. 1, pp. ec01004-ec01004, 2019.

D. A. Rocha, et al., “LutzoDexTM—A digital key for Brazilian sand flies (Diptera, Phlebotominae) within an Android App,” Zootaxa, vol. 4688, no. 3, pp. 382–388, 2019.

L. E. Morse, “Construction of identification keys by computer,” American Journal of Botany, p. 737, 1968.

M. Edwards, D. R. Morse, “The potential for computer-aided identification in biodiversity research,” Trends in Ecology & Evolution, vol. 10, no. 4, pp. 153–158, 1995.

M. J. Dallwitz, Programs for interactive identification and information retrieval, 2020. Disponível em: https://www.delta-intkey.com/www/idprogs.htm

L. Oliveira, et al., “TriatoKey: a web and mobile tool for biodiversity identification of Brazilian triatomine species,” Database: The Journal of Biological Databases and Curation, vol. 2017, 2017.

B. S. Silva, P. G. S. Lima, R. A. Gama, BioTax Desktop versão 0.0.1. Natal, RN: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2020.

F. P. Albuquerque, et al., “Entomologia no ensino médio técnico agrícola: Uma proposta de trabalho,” Revista Eletrônica de Educação, vol. 8, no. 3, pp. 236–250, 2014.

R. L. Cajaíba, W. B. Barreto, “Aulas práticas de Entomologia como mecanismo facilitador no aprendizado de taxonomia para alunos do ensino médio,” Scientia Amazonia, vol. 6, no. 1, pp. 107–116, 2017.

Á. Carvalho, D. Barata, K.G. Costa, “Investigando a Biodiversidade de Algas Macroscópicas nas Praias da Ilha do Frade. Kiri-Kerê: Pesquisa em Ensino,” vol. Dossiê 2, pp. 89–94, 2019.

T. J. B. Eugênio. “Utilização de uma ferramenta multimídia para identificação de artrópodes: avaliação de estudantes do ensino fundamental”. Ciência & Educação, vol. 18, no. 3, pp. 543–557, 2012.

J. R. Miguel, M. S. A. Rodrigues. “Chave interativa como método motivador e facilitador no ensino de botânica”. Bio-grafía, no. extraordinario, pp. 1637–1649, 2019.

S. D. J. Barbosa, B. S. Silva. Interação Humano-Computador. Elsevier, 2010.

S. D. J. Barbosa, B. S. Silva., M. S. Silveira, I. Gasparini, T. Darin, G. D. J. Barbosa. Interação Humano-Computador e Experiência do Usuário. LeanPub, 2021.

J. Nielsen, Usability Engineering. New York, NY: Academic Press, 1993.

E. Goodman, M. Kuniavsky, A. Moed, Observing the user experience: A practitioner's guide to user research. Elsevier, 2012.

J. Brooke, “SUS: a quick and dirty usability,”Usability evaluation in industry, 1996.

A. Bangor, P. Kortum, J. Miller, "Determining what individual SUS scores mean: Adding an adjective rating scale," Journal of Usability Studies, vol. 4, no. 3, pp. 114-123, 2009.

B. S. Silva, “Reflexões sobre a elaboração de materiais didáticos digitais para Parasitologia e Entomologia Médica,” Holos, vol. 37, no. 1, pp. 1-23, 2021.

J. Salvagni, N. Wojcichoski, M. Guerin. “Desafios à implementação do ensino remoto no ensino superior brasileiro em um contexto de pandemia.” Educação Por Escrito, vol. 11, no. 2, pp. e38898-e38898, 2020.

R. D. Santos, B. S. Silva, “Melhorias no projeto de interface como resultado de avaliações formativas de IHC: o caso de um Sistema Jurídico,” Projetica, vol. 11, no. 2, pp. 80-103, 2020.

Publicado

2022-07-01

Cómo citar

[1]
B. Santana da Silva, T. de Moura Barbosa, F. Albano Melo do Nascimento, y R. Antonaci Gama, «Avaliação de Usabilidade do BioTax no Ensino Remoto de Entomologia Médica», TEyET, n.º 32, p. e13, jul. 2022.

Número

Sección

Artículos originales