Interdisciplinaridade e tecnologias digitais na transformacao da compreensao de docencia

  • Luciana de Lima Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Brasil
  • Robson Carlos Loureiro Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Brasil
  • Gabriela Teles Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Brasil
Palabras clave: docencia, interdisciplinariedad

Resumen

O objetivo da pesquisa é analisar como licenciandos da disciplina Tecnodocência ofertada em 2016.2 transformam a compreensão de docência diante do desenvolvimento de atividades em grupos interdisciplinares com a aplicação das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDICs). Considerando-se a fragmentação dos saberes e a subutilização das TDICs como problemas na formação de licenciandos, a pesquisa, caracterizada como Estudo de Caso, apresenta por unidade de análise sete grupos interdisciplinares. Subdividiu-se em três etapas: planejamento, coleta e análise de dados. Na coleta de dados são angariadas informações por meio da aplicação dos questionários de sondagem, intermediário e de autoavaliação. A análise interpretativa utilizou a triangulação metodológica na ação interdisciplinar e utilização das tecnologias digitais. A docência é compreendida inicialmente como uma atividade exercida pelo professor sem uso das TDICs. No decorrer do processo, primórdios do conceito de interdisciplinaridade são incorporados ao conceito de docência vinculados à ideia de aprendizagens mútuas. Os elementos vinculados às TDICs foram compreendidos como necessários à docência ora para atraírem a atenção dos alunos, ora para a realização de práticas inovadoras. Percebeu-se que a proposta de uso das TDICs com grupos interdisciplinares na formação de licenciandos pode mobilizá-los para transformações na forma de pensar a docência.

Citas

[1] Comitê Gestor da Internet no Brasil. TIC domicílios 2015. São Paulo: CGI, 2016.
[2] Ceará. Lei no. 14.146 , de 25 de junho de 2008. “Dispõe sobre a proibição do uso de equipamentos de comunicação, eletrônicos e outros aparelhos similares, nos estabelecimentos de ensino do Estado do Ceará, durante o horário de aulas”. Diário Oficial do Estado Ceará, Poder Executivo, Fortaleza, 25 jun. 2008.
[3] P. Sibilia. Redes ou Paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.
[4] R. P. Lopes, M. Furkotter. “Formação para o Uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) nas Licenciaturas Presenciais das Universidades Estaduais Paulistas”, in 33ª ANPED, Caxambu, Minas Gerais, 2010, pp. 1-17.
[5] C. Coll. “Aprender y enseñar con las TIC: expectativas, realidad y potencialidades” in Los desafíos de las TIC para el cambio educativo, R. Carneiro, J. C. Toscano, T. Díaz, Madrid, España: Fundación Santillana, 2009, pp. 113-126.
[6] E. Morin. Ciência com Consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.
[7] L. de Lima. “Integração das Tecnologias e Currículo: A Aprendizagem Significativa de Licenciandos de Ciências na Apropriação eArticulação entre Saberes Científicos, Pedagógicos e das TDIC”. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, 2014.
[8] H. Japiassu. O Sonho Transdisciplinar e as razões da filosofia. Rio de Janeiro: Imago, 2006.
[9] A. M. L. Andalécio. “Informação, Conhecimento e Transdisciplinaridade: mudanças na Ciência, na Universidade e na Comunicação Científica”, Tese de Doutorado, Escola de Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, 2009.
[10] L. de Lima, R. C. Loureiro. “A Aprendizagem Significativa do Conceito de Tecnodocência: integração entre Docência e Tecnologias Digitais”. Revista NovasTecnologias na Educação, vol. 14, no. 1, pp. 1-10, 2016.
[11] B. Charlot. Relação com o saber: formação dos professores e globalizaçã. São Paulo: Artmed, 2005.
[12] A. C. Lastória, M. G. N. Mizukami. “Construção de material instrucional como ferramenta para aprendizagens docentes” in Aprendizagem Profissional da Docência: Saberes, Contextos e Práticas, M. G. N. Mizukami, A. M. R. Reali, São Carlos: EdUFSCar, 2002, pp. 187-207.
[13] A. I. L. Nunes. “A Pesquisa no campo da formação continuada de professores: interrelacionando conhecimentos e cruzando caminhos” in
Pesquisa em educação na UEVE: um caminho em construção, M. M. D. Cavalcante, J. B. C. Nunes, I. M. S. de Farias, Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2002, pp. 37-50.
[14] D. Schön. La Formación deprofesionales reflexivos: hacia un nuevo diseño de lal enseñanza y el aprendizaje en las profesiones. Barcelona: Paidós, 1992.
[15] M. Tardif. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.
[16] L. Darling-Hammond, J. Baratz-Snowden. A good teacher in every classroom. The National Academy of Education Committee on Teacher Education. San Francisco, Ca: Jossey Bass, 2005.
[17] E. C. Ricardo. “Educação CTSA: Obstáculos e possibilidades para sua implementação no contexto escolar”. Ciência & Ensino, vol. 1, n. especial, 2007, pp. 187-205.
[18] M. E. B. de Almeida. “Mapeando percepções de docentes no CHIC para análise da prática pedagógica” in Cartografia Cognitiva: Mapas do conhecimento para pesquisa, aprendizagem e formação docente, A. Okada, Cuiabá: KCM, 2008, pp. 325-338.
[19] F. Viseau, J. P. da Ponte. “A Formação do Professor de Matemática, apoiada pelas TIC, no seu Estágio Pedagógico”. Bolema, vol. 26, no. 42A, pp. 329-357, 2012.
[20] G. C. V. de Melo. “O uso das TIC no trabalho de professores universitários de língua inglesa”. RBLA, vol. 12, no. 1, pp. 93-118, 2012.
[21] E. O. dos Santos. “O Currículo e o digital: educação presencial e a distância”, Dissertação de Mestrado, Programa de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, 2002.
[22] I. B. Nuñez, B. L. Ramalho. Fundamentos do Ensino-Aprendizagem das Ciências Naturais e da Matemática: o novo Ensino Médio. Porto Alegre: Sulina, 2004.
[23] M. A. J. Bastos. “Currículo e Web 2.0: Argumentos possíveis a uma diferenciação em educação digital”. Revista e-curriculum, vol. 4, no. 2, 2009.
[24] R. K. Yin. Estudo de Caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2010. 248 p.
[25] R. E. Stake. Investigación con estúdio de casos. Madrid: Morata, 2010.
Publicado
2017-12-01
Sección
Artículos originales