A infraestrutura dos laboratorios de informática e a viabilidade com software educativos gratuitos de matemática: survey em escolas públicas

  • Helton T. Hyppólito Junior Faculdade de Gestão e Negócios ( FAGEN ), Universidade Federal de Uberlândia ( UFU ), Uberlândia, Brasil
  • Aleandra da S. Figueira-Sampaio Faculdade de Gestão e Negócios ( FAGEN ), Universidade Federal de Uberlândia ( UFU ), Uberlândia, Brasil
Palabras clave: Free educational software, Mathematic, Computer laboratory, Elementary school

Resumen

Devido ao constante avanço tecnológico, faz-se necessário uma reflexão sobre as condições em que se encontram as escolas para a inclusão destes recursos em práticas docentes, particularmente em relação ao ensino de Matemática. O objetivo deste trabalho foi verificar a infraestrutura dos laboratórios de informática em escolas públicas e a viabilidade técnica com software educativos gratuitos para o ensino de Matemática. A pesquisa teve caráter descritivo e foi realizada em escolas públicas da rede municipal de ensino fundamental II em Uberlândia, sudeste do Brasil. No total foram 20 escolas, totalizando 23 laboratórios de informática. Foram realizadas visitas aos laboratórios de informática e analisados aspectos técnicos, físicos, ergonômicos e de segurança Os resultados mostram uma infraestrutura satisfatória com aspectos técnicos, físicos e de segurança favoráveis ao desenvolvimento de práticas docentes de matemática. O ponto crítico está nos aspectos ergonômicos do mobiliário presente nos laboratórios. Quanto à viabilidade técnica, os recursos computacionais dos laboratórios às exigências mínimas necessárias para a utilização dos software gratuitos de matemática disponíveis no catálogo online Web-Math.

Citas

[1] R. Castoldi, C. A. Polinarski. A utilização de recursos didático-pedadógicos na motivação da aprendizagem. In: Anais do Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia, Ponta Grossa, páginas 684-692, 2009.
[2] M. C. Ricoy, M. J. V. S. Couto. Os recursos educativos e a utilização das TIC no ensino secundário na matemática. Revista Portuguesa de Educação, 25(2):241-262, 2012.
[3] J. A. Valente. A comunicação e a educação baseada no uso das tecnologias digitais de informação e comunicação. Revista UNIFESO –Humanas e Sociais, 1(1):141-166, 2014.
[4]R. F. Carneiro, C. L. B. Passos. A utilização das tecnologias da informação e comunicação nas aulas de matemática: limites e possibilidades. Revista Eletrônica de Educação, 8(2):101-119, 2014.
[5]C. A. Merlo, R. T. Assis. O uso da informática no ensino da Matemática. REUNI -Revista Unijales, 5(4):1-27, 2010.
[6]N. Amado, S. Carreira. Utilização pedagógica do computador por professores estagiários de Matemática –diferenças na prática da sala de aula. In do Encontro de Investigação em Educação Matemática, Vieira de Leiria, páginas 276-289, 2008.
[7]P. S. Bassani, L. M. Passerino, P. R. Pasqualotti et al.Em busca de uma proposta metodológica para o desenvolvimento de software educativo colaborativo. RENOTE -Revista Novas Tecnologias na Educação, 4(1):1-10, 2006.
[8]R. Santos, A. B. Loreto, J. L. Gonçalves. Avaliação de softwares matemáticos quanto a sua funcionalidade e tipo de licença para uso em sala de aula. REnCiMa -Revista de Ensino de Ciências e Matemática. 1(1):47-65, 2010.
[9]T. C. A. Nogueira, M. C. S. A. Cardoso, A. S. Figueira-Sampaio et al. Software educativos gratuitos para o ensino de Matemática.In Anais do Congreso Internacional de Informática Educativa -TISE, Porto Alegre, páginas 483-486, 2013.
[10]A. S. Figueira-Sampaio, E. E. F. Santos, G. A. Carrijo. Mapping free software used to teach measurement and proportion.In Anais do Congreso Internacional de Informática Educativa -TISE, Fortaleza, páginas 452-456, 2014.
[11] E. E. F. Santos, A. S. Figueira-Sampaio, G. A. Carrijo. Mapping free educational software used to develop geometric reasoning. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 182:136-142, 2015.
[12] H. T. Hyppólito Junior, J. L. F. Cassiano, A. S. Figueira-Sampaio et al. Web-Math: catálogo online com software educativos gratuitos de Matemática. In Anais do Congreso Internacional de Informática Educativa -TISE, Porto Alegre, páginas 692-694,2013.
[13]I. L. Parellada, S. E. Rufini. O uso do computador como estratégia educacional: relações com a motivação e aprendizado de alunos do ensino fundamental. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(4):743-751, 2013.
[14]R. F. Carneiro, C. L. B. Passos. A utilização das tecnologias da informação e comunicação nas aulas de matemática: limites e possibilidades. REVEDUC -Revista Eletrônica de Educação, 8(2):101-119, 2014.
[15]S. M. S. Iunes, G. L. Santos. Contratos e destratos entre informática e educação matemática. Ciência & Educação, 19(2):293-305, 2013.
[16]C. E. Morimoto. Hardware II, o guia definitivo. Sul Editores, Porto Alegre, 2010.
[17]L. R. G. Alves. Conhecimento e Internet: uma construção possível? Revista de Educação da Faculdade de Educação –FEBA, 1(1):91-108, 2000.
[18]Secretaria de Educação a Distância. Cartilha Proinfo Urbano: recomendações para a montagem de laboratório de informática nas escolas urbanas. Ministério da Educação, Brasília, 2009.
[19]Secretaria de Educação a Distância. Cartilha Proinfo Rural: recomendações para a montagem de laboratório de informática nas escolas rurais. Ministério da Educação, Brasília, 2009.
[20]I. Gripa. Implantação e administração de laboratórios de informática para escolas de ensino médio. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina, ago 2002.
[21]J. B. Cruz. Laboratórios. Universidade de Brasília, Brasília, 2009.
[22]A. S. Figueira-Sampaio, E. E. F. Santos, G. A. Carrijo. A constructivist computational tool to assist in learning primary school mathematical equations. Computers &Education, 53( 2):484-492, 2009.
[23]A. M. Oliveira, C. J. Rubin Filho. Uso pedagógico do data show no ensino de ciências. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE, Governo do Estado, Paraná. 2013.
[24]Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 14006: móveis escolares: assentos e mesas para conjunto aluno de instituições educacionais. Rio de Janeiro, 2003.
[25]A. R. P. Moro. Ergonomia da sala de aula: constrangimentos posturais impostos pelo mobiliário escolar. Revista Digital –Buenos Aires, 10(85): 1-6, 2005.
[26]G. R. Siqueira, A. B. Oliveira, R. A. G. Vieira. Inadequação ergonômica e desconforto das salas de aula em instituição de ensino superior do Recife-PE. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 21(1):19-28, 2008.
[27]L. E. Rocha, R. A. Casarotto, L. Sznelwar. Uso de computador e ergonomia: um estudo sobre as escolas de ensino fundamental e médio de São Paulo. Educação e Pesquisa, 29(1):79-87, 2003.
[28]Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO/CIE 8995-1: iluminação de ambientes de trabalho. Rio de Janeiro, 2013.
[29]C. M. C. Silva. A importância da iluminação no ambiente escolar. Revista Especialize OnLine, 1(9):1-17, 2014.
[30]M. C. J. A. Nogueira, L. C. Durante, J. S. Nogueira. Conforto térmico na escola pública em Cuiabá-MT: Estudo de Caso. REMEA -Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 14:37-49, 2005.
[31] E. C. Batiz, J. Goedert, J. J. Morsch et al. Avaliação do conforto térmico no aprendizado: estudo de caso sobre influência na atenção e memória. Produção, 19(3):477-488, 2009.
[32]F. S. Castro, F. P. Oliveira, R. A. Costa. Conforto térmico como indicador de aprendizagem em escolas de Ituiutaba-MG. Revista Geonorte, 3(8):121-132, 2012.
Publicado
2017-12-01
Sección
Artículos originales