Análise de software para o ensino de evolução através de critérios pedagógicos e computacionais

Autores/as

  • Arielson dos Santos Protázio Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • María de Fátima Souza dos Santos-Oliveira Universidade Federal de Sergipe
  • Airan dos Santos Protázio Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.24215/18509959.24.e06

Palabras clave:

educação, checklist, TICs, biologia, aprendizagem

Resumen

Neste estudo foram analisados o perfil e adequação pedagógica e técnica de software que tratam do tema evolução. Software foram identificados em duas bases de dados educacionais, classificados quanto a taxonomia e avaliados com um checklist. Foram identificados 35 software. A maioria foi tutorial (48,6%), seguida de multimídia (22,9%), exercício e prática e processadores de texto (8,6%) e jogos e simuladores (5,7%). Sete foram comportamentalistas, seis construtivistas e cinco construtivista-sociointeracionistas. Dezoito foram adequados quando a forma de apresentação do conteúdo, 29 mostraram-se robustos, 12 apresentaram portabilidade, 26 empregaram adequadamente as imagens, 30 apresentaram adequadamente as informações, 17 tiveram ótima orientação e navegação, 32 foram esteticamente adequados, 16 apresentaram afetividade e apenas um jogo mostrou-se interativo. Houve maior semelhança entre multimídias e processadores de texto, com relevância da orientação e navegação, portabilidade e adequação da apresentação do conteúdo. Exercícios e prática, jogos e tutoriais apresentaram maior semelhança entre si e todos tiveram pouca relevância da orientação e navegação, portabilidade e adequação da apresentação do conteúdo, mas apresentaram maior afetividade. Tutoriais tiveram grande relevância do emprego de imagens. Apesar da importância do uso de software educacionais para a promoção da aprendizagem, todos os tipos analisados mostraram deficiências em alguns dos critérios analisados, indicando que eles devem ser utilizados de maneira complementar.

Biografía del autor/a

Arielson dos Santos Protázio, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Licenciado em Ciências Biológicas. Especialista em Ensino de Ciências e Matemática. Especialista em Biologia Celular. Mestre em Ciências Biológicas (Zoologia). É professor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

María de Fátima Souza dos Santos-Oliveira, Universidade Federal de Sergipe

Licenciada em Ciências Biológicas. Mestre em Entomologia. Doutora em Ciências Biológicas (Zoologia).

Airan dos Santos Protázio, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia

Licenciado em Ciências Biológicas. Especialista em Ensino de Ciências e Matemática. Especialista em Biologia Celular. Mestre em Zoologia. É professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia.

Citas

D. J, Futuyma, Evolution, Science and Society: Evolutionary Biology and the National Research Agenda. New Brunswick: The State University of New Jersey, 1999.

R. Tidon, E. Vieira. (2009). O ensino da evolução biológica: desafios para o século XXI. Com Ciência [Online]. Disponível: http://comciencia.br/comciencia.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. vol. 2. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.

M. Zimmerman, “The evolution-creation controversy: opinions of Ohio High School Biology teachers,” Ohio Journal of Science, 87, pp. 115-125, 1987.

C. N. El-Hani, N. M. V. Bizzo, “Formas de construtivismo: mudança conceitual a construtivismo contextual,” Revista Ensaio, 4, pp. 40-64, 2002.

N. M. V. Bizzo, A. Molina, “El mito darwinista en el aula de clase: un análisis de fuentes de información al gran público,” Ciências & Educação, 10, pp. 401-416, 2004.

R. Tidon, R. C. Lewontin, “Teaching evolutionary biology,” Genetics and Molecular Biology, 27, pp. 124-131, 2004.

A. V. Almeida, J. T. R. Falcão, “A estrutura histórico-conceitual dos programas de pesquisa de Darwin e Lamarck e sua transposição para o ambiente escolar,” Ciência & Educação, 11, pp. 17-32, 2005.

R. Pazza, P. R. Penteado, K. F. Kavalco, “Misconceptions about evolution in Brazilian freshmen students,” Evolution: Education and Outreach, 3, pp. 107-113, 2009.

L. C. Oleques, M. L. Bartholomei-Santos, N. Boer, “Evolução biológica: percepções de professores de Biologia,” Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 10, pp. 243-263, 2011.

J. D. Miller, E. C. Scott, S. Okamoto, “Public acceptance of evolution,” Science, 313, pp. 765-766, 2006.

D. Peker, G. G. Comert, A. Kence, “Three decades of anti-evolution campaign and its results: turkish undergraduates’ acceptance and understanding of the biological evolution theory,” Science & Education, 19, pp. 739-755, 2010.

F. M. G. Dias, J. Bortolozzi, “Como a evolução biológica é tratada nos livros didáticos do ensino médio,” Apresentado no 7º Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC), Florianópolis, SC, 2009, pp. 1-9.

M. L. Belline, “Avaliação do conceito de evolução nos livros didáticos,” Estudos em Avaliação Educacional, 17, pp. 7-28, 2006.

E. C. Ricardo, A. Zylbersztajn, “O ensino das ciências no nível médio: um estudo sobre as dificuldades na implementação dos parâmetros curriculares nacionais,” Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 19, pp. 351-370, 2002.

P. Lévy, Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

L. M. M. Giraffa, “Uma odisséia no ciberespaço: o software educacional dos tutoriais aos mundos virtuais,” Revista Brasileira de Informática na Educação, 17, pp. 20-30, 2009.

L. M. M. Giraffa, “Uma arquitetura de tutor utilizando estados mentais,” Tese, Doutorado em Ciências da Computação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, 1999.

D. Squires, J. Preece, “Predicting quality in educational software: evaluating for learning, usability and the synergy between them,” Interacting with Computers, 11, pp. 467-483, 1999.

N. M. V. Bizzo, Ciências: Fácil ou Difícil? São Paulo: Ática, 2000.

P. Freire, Pedagogia do Oprimido. 17 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

A. S. Teixeira Jr., “Ensino de ciências,” in Ensino de Ciências e Desenvolvimento: O que Pensam os Cientistas, J. Werthein and C. Cunha, Orgs. Brasília: Unesco/Instituto Sangari, 2009, pp. 79-85.

C. V. Pedroso, “Jogos didáticos no ensino de biologia: Uma proposta metodológica baseada em módulo didático,” Apresentado no 9º Congresso Nacional de Educação / 3º Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia, Curitiba, PR, 2009, pp. 3182-3190.

M. I. Silva, R. Batista, A. Maciel, I. Silva, A. Bandeira, “Estudando a morfologia externa dos insetos nas aulas práticas de laboratório de Zoologia II,” Apresentado no 5º Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Recife, PE, 2011, pp. 1-5.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Fundamental, 1998.

J. M. Moran, A Educação que Desejamos: Novos Desafios e Como Chegar Lá. 5ª ed. Campinas: Papirus, 2013

E. Santos, “Educação online para além da EAD: um fenômeno da cibercultura,” Actas do 10º Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia, Braga, 2009, pp. 5658-5671.

A. A. Oliveira, Gestão em EaD I. Aperfeiçoamento em EaD. Belo Horizonte: CAED/UFMG, 2011.

I. R. L. Sousa, H. P. Magalhães, “Interseções entre cultura midiática, cibercultura e gamecultura: o Ragnarök como processo sociocomunicacional e mediador da conscientização ambiental,” Culturas Midiáticas, 1, pp. 1-12, 2008.

L. Santaella, “Da cultura das mídias à cibercultura: o advento do pós-humano,” Revista Famecos, 1, pp. 23-32, 2003.

J. M. Moran, Desafios na Comunicação Pessoal. 3º ed. São Paulo: Paulinas, 2007.

E. Chaves. (2005). O que é Software Educacional? [Online]. Disponível: http://www.inf.pucrs.br.

J. C. Alves, L. C. Sampaio, M. C. M. Carvalho, S. F. G. Aldeia, A. C. P. Guelpeli, M. V. C. Guelpeli, “Metodologia para avaliação de software de autoria como uma ferramenta computacional para auxílio no desenvolvimento de conteúdos didático-pedagógicos,” Apresentado no 2º Simpósio de Informática, Teresina, PI, 2004, pp. 1-12.

C. Graebin, “Critérios Pedagógicos, Ambiente Educacional, Programa Curricular e os Aspectos Didáticos: Critérios Relevantes na Avaliação de Software Educacionais,” Novas Tecnologias na Educação, 7, pp. 1-10, 2009.

E. Reategui, E. Boff, M. Finco, “Proposta de diretrizes para avaliação de objetos de aprendizagem considerando aspectos pedagógicos,” Novas Tecnologias na Educação, 8, pp. 1-10, 2010.

A. W. Cybis, Engenharia de Usabilidade: Uma Abordagem Ergonômica. Florianópolis: Labiutil, 2003.

ISO 9241. Ergonomic requirements for office work with visual display terminals, Part 1 General Introduction. International Standard ISO 9241-1, 1993.

C. Bastien, D. Scapin, “Ergonomic criteria for evaluating the ergonomic quality of interactiv e systems,” Behaviour & Information Technology, 16, pp. 220-231, 1997.

K. A. Godoi, S. Padovani, “Avaliação de material didático digital centrada no usuário: uma investigação de instrumentos passíveis de utilização por professores,” Produção, 19, pp. 445-457, 2009.

B. Shackel, “Usability: Context, Framework, Definition, Design and Evaluation,” in Human Factors for Informatics Usability, B. Shackel and S. Richardson, Eds. Cambridge: Cambridge University Press, 1991, pp. 21-37.

A. Chapanis, “Evaluating Usability,” in Human Factors for Informatics Usability, B. Shackel, and S. Richardson, Eds. Cambridge: Cambridge University Press, 1991, pp. 359-395.

J. Nielsen, Usability Engineering. San Diego: Academic Press, 1993.

T. Dwyer, “Heuristic strategies for using computers to enrich education,” International Journal of Man-machine Studies, 6, pp. 137-154, 1974.

A. H. Galvis, “Ambientes de enseñanza-aprendizaje enriquecidos con computador,” Boletín de Informática Educativa, 1, pp. 117-145, 1988.

J. A. Valente, “Análise dos Diferentes Tipos de Software Usados na Educação,” in O Computador na Sociedade do Conhecimento. J. A. Valente, Org. São Paulo: UNICAMP/NIED, 1999, pp. 89-101.

B. C. Bona, “Análise de software educativos para o ensino de matemática nos anos iniciais do ensino fundamental,” Experiências em Ensino de Ciências, 4, pp. 35-55, 2009.

C. R. O. Silva, “MAEP: Um Método Ergopedagógico Interativo de Avaliação Para Produtos Educacionais Informatizados,” Tese, Doutorado em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil, 2002.

R. J. S. Silva, “Avaliação de software educacional: Critérios para definição da qualidade do produto,” Apresentado no 3º Simpósio Nacional Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura (ABCiber), São Paulo, SP, 2009, pp. 1-15.

G. H. B. Campos. (2001). A qualidade em software educacional [Online]. Disponível: http://www.casadaciencia.ufrj.br/Publicacoes/Artigos/EduBytes95/QualidadeSE.

K. A. Godoi, S. Pandovani, “Instrumentos avaliativos de software educativo: uma investigação de sua utilização por professores,” Estudos em Designer, 19, pp. 1-23, 2011.

A. McDougall, D. Squires, “A critical examination of the checklist approach in software selection,” Journal of Educational Computing Research, 12, pp. 263-274, 1995.

K. MacGarigal, S. Cushman, S. Stafford, Multivariate Statistics for Wildlife and Ecology Research. New York: Springer, 2000.

Ø, Hammer, D. A. T. Harper, P. D. Ryan. (2001). Past: Paleontological Statistics Software Package for Education and Data Analysis [Online]. Disponível: http://folk.uio.no/ohammer/past.

R. M. Gagné, The Conditions of Learning. 4 ed. New York: Holt Rinehart and Winston, 1985.

R. M. Felder, L. K. Silverman, “Learning and teaching styles in engineering education,” Engineering Education, 78, pp. 674-681, 1988.

R. M. Felder. (2015). Learning Styles [Online]. Disponível: http://www4.ncsu.edu/unity/lockers.

Publicado

2019-12-27

Cómo citar

dos Santos Protázio, A., Souza dos Santos-Oliveira, M. de F., & dos Santos Protázio, A. (2019). Análise de software para o ensino de evolução através de critérios pedagógicos e computacionais. Revista Iberoamericana De Tecnología En Educación Y Educación En Tecnología, (24), e06. https://doi.org/10.24215/18509959.24.e06

Número

Sección

Artículos originales