Curso de EAD: Impactos na Formação e Prática dos Professores

  • Zanandrea Guerch da Silva Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria
  • Ana Cláudia Oliveira Pavão Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria

Resumen

As políticas públicas em pról da Educação Inclusiva no Brasil, demandaram desde 2008, que os professores tivessem novos conhecimentos e práticas com metodologias diferenciadas para atender aos alunos com deficiência no ensino regular. Assim, as instituições públicas de ensino passaram a ofertar Cursos, na modalidade a distância, para formação de professores para atuar no Atendimento Educacional Especializado-AEE. Nesse sentido, este estudo tem por objetivo verificar o impacto da oferta do Curso de AEE, modalidade a distância, na formação e prática dos alunos egressos. A metodologia consiste em uma pesquisa descritiva exploratória, de caráter qualitativa, do tipo estudo de caso, sendo os sujeitos os professores egressos da 10ª Edição do Curso de AEE, ofertado pela Universidade Federal de Santa Maria, RS/BRASIL. Como instrumento de pesquisa foi utilizado um questionário, semiestruturado com perguntas abertas e fechadas. Para a análise dos dados, foi utilizada a análise de conteúdo, com três categorias iniciais: perfil do egresso, situação profissional e prática no AEE. Os resultados apontam que os egressos percebem os impactos da formação e prática, por meio dos conteúdos abordados, da qualidade das interações e materiais, utilizados no Curso e das modificações que foram realizadas nas escolas.

Biografía del autor/a

Zanandrea Guerch da Silva, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria

Possui graduação em Pedagogia e especialização em Gestão educacional. Mestre em Tecnologias Educacionais em Rede-UFSM. Professora da Rede Pública Estadual. Integrante do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Educação

Ana Cláudia Oliveira Pavão, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria

Doutora em Informática na Educação- UFRGS. Professora associada da UFSM, coordenadora do programa de pós-graduação em Tecnologias Educacionais em Rede e coordenadora do Curso de Formação de Professores para o Atendimento Educacional Especializado

Citas

Brasil, “Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva”. Inclusão: Revista da Educação Especial, vol. 4, nº 1, jan./jun.2008.

L. Bardin, “Análise de conteúdo”. 70 ed. São Paulo, 2011.

Brasil, “Declaração de Salamanca sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais”.1994. Disponível: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf.

Brasil, “Decreto n. 7.611, de 17 de novembro de 2011: dispõe sobre a Educação Especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências”. Diário Oficial da União, 18 nov. 2011. Disponível: <http://www2.camara.gov.br/legin/fed/decret/2011/decreto-7611-17-novembro- 2011-611788-norma-pe.html

Brasil, “Plano Nacional de Educação 2014-2024”. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, p. 54, 2014.

Brasil, “Resolução CNE/CEB Nº 4/2009: Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial”. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2009.

Brasil, “Resolução n. 2, de 11 de setembro de 2001: Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica”. Brasília, MEC/SEESP, 2001.

Brasil, “Decreto 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o artigo 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional”. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília: DF, 2005.

M. L. Belloni, “Educação a distância”. 7 ed. São Paulo: Autores Associados, 2015.

A. C. P. Siluk, “Atendimento Educacional Especializado: Contribuições para a prática pedagógica”. 1 ed. Santa Maria: UFSM, 2012.

I.O. Vianna. “Metodologia do trabalho científico: um enfoque didático da produção científica”. São Paulo: EPU, 2001.

M. T. Mantoan, “Inclusão escolar: O que é, por que é? Como fazer?” São Paulo: Moderna, 2015.

G. de A. Martins; A. C. Z. Lousada, “Egressos como fonte de informação à gestão dos cursos de ciências contábeis”. R.Cont.Fin.- USP, São Paulo, n 37, p. 73-84, jan./abr.2005.

Brasil, “Referenciais de qualidade para cursos a distância”. Brasília: MEC, 2007.

J.G. Martins; N.F. de Oliveira, “Material didático: desconstruindo o ontem para construir o hoje e o amanhã”. p. 08, 2008.

E. Lobo, “Modelo de procedimento para projetos de capacitação de recursos humanos no contexto corporativo”. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

M. T. Masseto, “Mediação pedagógica e o uso da tecnologia”. São Paulo: Papirus, pp. 133-173, 2000.

E. M. Andrade “As práticas pedagógicas do tutor na educação a distância”. In: Anais do IX Seminário Pedagogia em Debate e IV Colóquio Nacional de Formação de Professores. Curitiba: Paraná, pp.7-15, 2009.

J.G. Sacristan, “Poderes instáveis em educação”. Porto Alegre: ArtmedSul, 1999.

Publicado
2019-07-11
Cómo citar
Guerch da Silva, Z., & Oliveira Pavão, A. (2019). Curso de EAD: Impactos na Formação e Prática dos Professores. Revista Iberoamericana De Tecnología En Educación Y Educación En Tecnología, (23), e04. https://doi.org/10.24215/18509959.23.e04
Sección
Artículos originales