Práticas com Simulações Computacionais para Melhoria de Desempenho para Lidar com Situações de Emergências

  • Dauster Souza Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia
  • José Valdeni de Lima Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Alberto Bastos do Canto Filho Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Paulo Santana Rocha Instituto Evandro Chagas
  • Rafaela Ribeiro Jardim Instituto Federal Farroupilha
  • Francisco Euder dos Santos Instituto Federal de Rondônia
  • Priscilla Perez da Silva Pereira Universidade Federal de Rondônia

Resumen

Este artigo é um recorte de uma proposta de pesquisa que visa utilizar a simulação computacional como ferramenta de apoio para o processo ensino-aprendizagem. A pesquisa envolveu 48 participantes. Na fase de diagnóstico preliminar, aproximadamente 80% dos estudantes avaliaram que o uso das simulações facilitaria ou facilitaria muito o aprendizado teórico-prático, 16% já utilizaram esse recurso durante os estudos e todos gostariam de ter acesso aos mesmos durante às aulas, porém 62% relataram que entendem pouco sobre o uso dessas ferramentas no processo de aprendizado. Já na fase de protótipo da simulação, os participantes foram submetidos a um pré-teste e um pós-teste com onze questões objetivas referentes a situações emergenciais relacionadas à crise convulsiva e crise asmática. A média de acertos no pré-teste, ou seja, antes de participar da simulação foi 5,15 (DP:1,77). Após participarem das simulações a média de acertos passou para 8,93 (DP:1,6; p<0,01). Concluiu-se que simulação não está sendo utilizada no contexto educacional dos participantes desta pesquisa. Os resultados da aplicação do experimento mostraram uma melhoria de desempenho dos participantes de modo a poder afirmar que as simulações podem contribuir para o aprendizado sobre atendimento pré-hospitalar nas emergências médicas do tipo crise convulsiva e crise asmática.

Biografía del autor/a

Dauster Souza Pereira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia

Doutorando em Informática na Educação (PPGIE/UFRGS), Mestrado em Educação Escolar, Especialista em Sistemas de Computação, Administração em Redes Linux, Informática na Educação e Metodologia do Ensino Superior.

José Valdeni de Lima, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorado em Informática, Mestrado em Ciências da Computação. Professor titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Alberto Bastos do Canto Filho, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorado em Informática na Educação, Mestrado em Ciência da Computação. Professor associado no Curso de Pós-Graduação em Informática na Educação e na Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Paulo Santana Rocha, Instituto Evandro Chagas

Doutorando em Informática na Educação (PPGIE/UFRGS), Mestrado em Ciência da Computação, Especialista em Desenvolvimento de Aplicações para Internet.

Rafaela Ribeiro Jardim, Instituto Federal Farroupilha

Doutoranda em Informática na Educação (PPGIE/UFRGS), Mestrado em Ciência da Computação.

Francisco Euder dos Santos, Instituto Federal de Rondônia

Doutorando em Informática na Educação (PPGIE/UFRGS), Mestrado em Educação Escolar, Especialista em Educação Empreenderora e Segurança em Sistemas de Informação.

Priscilla Perez da Silva Pereira, Universidade Federal de Rondônia

Doutora em Ciências da Saúde, Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente. Professora adjunto da Universidade Federal de Rondônia (UNIR).

Citas

E. M. Mussoi, M. L. P. Flores, A. M. Bulegon, and L. M. R. Tarouco, “GeoGebra and eXe Learning: applicability in the teaching of Physics and Mathematics,” Syst. Cybern. Informatics, vol. 9, no. 2, pp. 61–66, 2011.

J. M. Moran, A Educação que Desejamos: novos desafios e como chegar lá. Campinas, SP: Papirus Editora, 2007.

S. D. Bencomo, “Control Learning: present and future,” IFAC Proc. Vol., vol. 35, no. 1, pp. 71–93, 2002.

K. M. Kapp and T. O’Driscoll, Learning in 3D: adding a new dimension to enterprise learning and collaboration. San Francisco, CA: Pfeiffer, 2010.

R. O. Coelho, “O uso da informática no ensino de física de nível médio,” Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Pelotas, UFPel, Pelotas, RS, 2002.

V. Heckler, M. D. F. O. Saraiva, and K. D. S. Oliveira Filho, “Uso de simuladores, imagens e animações como ferramentas auxiliares no ensino/aprendizagem de óptica,” Rev. Bras. Eng. Agrícola e Ambient., vol. 29, no. 2, pp. 267–273, 2007.

D. P. Ausubel, J. D. Novak, and H. Hanesian, Psicologia Educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

J. A. de Macêdo, A. G. Dickman, and I. S. F. de Andrade, “Simulações computacionais como ferramentas para o ensino de conceitos básicos de Eletricidade,” Cad. Bras. Ensino Física, vol. 29, pp. 562–613, 2012.

R. R. de O. Costa, S. M. de Medeiros, J. C. A. Martins, R. M. P. de Menezes, and M. S. de Araújo, “O Uso da Simulação no Contexto da Educação e Formação em Saúde e Enfermagem: uma reflexão acadêmica,” Espaço para a Saúde, vol. 16, no. 1, pp. 59–65, 2015.

F. Bellemain, P. Bellemain, and V. Gitirana, “Simulação no Ensino da Matemática: um exemplo com Cabri-Géomètre para abordar conceitos da área e perímetro,” 2006.

C. E. Beluzo, “Programa Computacional para um Simulador de Vôo,” Dissertação (Mestrado em Engenharia Mecânica), Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos, São Carlos, SP, 2006.

M. L. O. Montenegro, “Análise de Desempenho das Saídas de Emergência por Meio de Simulações Computacionais - o caso de projetos de edifícios universitários,” Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo), Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Natal, RN, 2016.

A. Medeiros and C. F. De Medeiros, “Possibilidades e Limitações das Simulações Computacionais no Ensino da Física,” Rev. Bras. Ensino Física, vol. 24, no. 2, pp. 77–86, 2002.

L. de Almeida and C. Correa, “Percepções sobre os jogos de simulação de voo na formação de pilotos privados de avião,” RENOTE, vol. 15, no. 1, pp. 1–11, jul. 2017.

A. S. S. Dourado and T. R. Giannella, “Ensino baseado em simulação na formação continuada de médicos: análise das percepções de alunos e professores de um Hospital do Rio de Janeiro,” Rev. Bras. Educ. Med., vol. 38, no. 4, pp. 460–469, 2014.

A. Likar and V. Kozuh, “Animated Physics”. 1996.

A. Serrano and V. Engel, “Uso de Simuladores no Ensino de Física: Um estudo da produção Gestual de Estudantes Universitários,” Rev. Novas Tecnol. na Educ., vol. 10, no. 1, pp. 1–10, 2012.

C. C. Fornaziero and C. R. R. Gil, “Novas Tecnologias Aplicadas ao Ensino da Anatomia Humana,” Rev. Bras. Educ. Med., vol. 27, no. 2, p. 6, 2003.

D. R. Cahill and R. J. Leonard, “The role of computers and dissection in teaching anatomy: a comment,” Clin. Anat., vol. 10, no. 2, pp. 140–141, 1997.

E. L. Silva and E. M. Menezes, Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação, 4a ed. rev. Florianópolis, 2005.

A. T. Ferrari, Metodologia da Ciência. Rio de Janeiro: Kennedy, 1974.

A. C. Gil, Como Elaborar Projetos de Pesquisa, 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

A. N. S. Triviños, Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

C. Sanches, M. Meireles, and J. O. Sordi, “Análise qualitativa por meio da lógica paraconsciente: método de interpretação e síntese de informação obtida por escalas likert.,” An. do Encontro Ensino e Pesqui. em Adm. e Contab., 2011.

Publicado
2019-07-11
Cómo citar
Pereira, D., de Lima, J., Canto Filho, A., Rocha, P., Jardim, R., Santos, F., & Pereira, P. (2019). Práticas com Simulações Computacionais para Melhoria de Desempenho para Lidar com Situações de Emergências. Revista Iberoamericana De Tecnología En Educación Y Educación En Tecnología, (23), e07. https://doi.org/10.24215/18509959.23.e07
Sección
Artículos originales